top of page
  • Foto do escritorLuiz Gustavo

Governo pede suspensão no Brasil de filme acusado de sexualizar crianças

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pediu a suspensão da veiculação do filme "Lindinhas" ("Cuties", em inglês) no Brasil, além da apuração da responsabilidade pela oferta e distribuição de conteúdo. A produção francesa da Netflix é acusada de sexualizar crianças.


O pedido foi encaminhado à COPEIJ (Coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude). Comentando o caso, a ministra Damares Alves disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro atuará "nessa luta".


No ofício assinado pela SNDCA (Secretaria Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente), o secretário Maurício Cunha afirma que o filme "apresenta pornografia infantil e múltiplas cenas com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança, se contorcem e simulam práticas sexuais."


A SNDCA vê com extrema preocupação a perpetuação do conteúdo que, longe de ser entretenimento ou liberdade de expressão, na verdade, afronta e fragiliza a normativa nacional de proteção à infância e adolescência.

Em vídeo promocional, a diretora de "Cuties", Maïmouna Doucouré, explica que o filme é justamente uma crítica à sexualização de crianças em nome de uma suposta liberdade sexual.


"Eu conversei com centenas de pré-adolescentes para entender como elas se relacionavam com sua feminilidade hoje em dia. Essas garotas veem que, quanto mais a mulher é sexualizada nas redes sociais, mais bem-sucedida ela é. E sim, isso é perigoso."


A Netflix também já havia se pronunciado após as críticas ao longa. "'Cuties' é uma crítica social à sexualização de crianças. É um filme premiado, com uma história poderosa sobre a pressão que jovens meninas sofrem das redes sociais e da sociedade em geral enquanto crescem — e encorajamos qualquer pessoa que se importa com este tema fundamental a assistir ao filme."


Fonte:Uol

0 visualização0 comentário
bottom of page