top of page
  • Foto do escritorLuiz Gustavo

Especialistas alertam que a pandemia prejudicou o desenvolvimento das crianças


Apesar de estarem entre as pessoas menos afetadas pelo coronavírus, no quesito de casos graves e à mortalidade, as crianças anos também foram profundamente impactadas pela pandemia de Covid-19.


Essa foi uma das conclusões dos participantes de audiência pública da Comissão Externa sobre Políticas para a Primeira Infância, que discutiu nesta segunda-feira (18) o retrato atual da primeira infância no Brasil.

Diretor de políticas e direitos das crianças do Instituto Alana, Pedro Hartung afirmou que decisões políticas tomadas durante a pandemia tiveram forte impacto sobre as crianças. Como exemplo, ele citou que, no País, houve dez vezes mais mortes de bebês por Covid-19 do que nos Estados Unidos. Também ressaltou as mais de 12 mil crianças brasileiras que ficaram órfãs por causa da pandemia.

Outro ponto comentado foi o agravamento da insegurança alimentar e da fome nas famílias, com sequelas no desenvolvimento infantil. Hartung acrescentou que é necessário pensar em quem cuida das crianças, em especial as mães, tema esse que também ficou prejudicado durante a pandemia.

“A gente sabe que o desemprego cresceu, principalmente entre mulheres. Além disso, houve a sobrecarga de tarefas domésticas para as mães que mantiveram seus empregos e puderam ficar em home office”, comentou. “Por isso que a gente tem de falar que cuidar de crianças no Brasil é cuidar especialmente de mulheres mães.”

Mais um ponto citado por Hartung foi a necessidade de se pensar no espaço em que vive a criança.

Oficial de desenvolvimento da primeira infância do Unicef, Maíra Souza contou que a entidade realizou, em parceria com o Ibope e o Instituto de Pesquisas Cananeia (Ipec), três rodadas de pesquisas sobre os impactos da pandemia sobre a infância. Entre os resultados, 63% da população entrevistada entre os que residem com crianças ou adolescentes de 0 a 17 anos tiveram decréscimo da renda familiar durante a crise sanitária; 6% mencionaram que deixaram de comer porque não havia dinheiro para comprar mais comida.

Presidente da comissão externa, a deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF) salientou o impacto do fechamento das escolas.

“Entendemos perfeitamente que existe o medo da Covid, mas o direito à educação tem de ser respeitado. Graças a Deus, a vacinação vem avançando e tem de avançar cada vez mais, e estamos pressionando os governos para que todos os professores e os jovens tenham acesso à vacina”, disse. “O Brasil foi o campeão em escola fechada. A média mundial é de 20 semanas, aqui passamos de 70 semanas.”

Paula Belmonte também destacou que uma subcomissão, recém-criada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), vai analisar propostas que busquem aprimorar a garantia de direitos de crianças e adolescentes.



5 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page